Chás – Origem e Cultura

Chás – Origem e Cultura

10 de janeiro de 2020 8669 Por kfit_admin

Chás – A ORIGEM E A CULTURA DO CHÁ

Quando se fala em chá, logo vem na cabeça uma bebida de infusão de ervas, folhas ou raízes diversos proveniente de cultura oriental.

Mas pouco sabemos sobre a história e o caminho que o trouxe até a nossa mesa e rotina Ocidental.

O uso do chá como bebida social provém da época da dinastia Tang, na China.

O caractere chinês utilizado para a bebida é 茶 e possui duas formas completamente distintas de pronúncia.

  • Uma, é Te, que vem da palavra Malaia para a bebida.
  • A outra é cha, que vem do cantonês e do Mandarim, que significam: apanhar, colher.

Essa duplicidade fez com que o nome da bebida em línguas não chinesas se distinguisse em dois grupos:

  • Línguas que usam derivados da palavra Te:

Alemão, inglês, francês, dinamarquês, hebraico, húngaro, finlandês, indonésio, italiano, islandês, letão, tamil, sinhala, holandês, castelhano, arménio, galês, e latim científico.

  • Línguas que usam derivados da palavra Cha:

Hindi, japonês, português, persa, albanês, checo, russo, turco, tibetano, árabe, vietnamita, coreano, tailandês, grego, romeno, suaíli, croata.

TIPOS DE CHÁ

Porém, a definição de que o chá é uma bebida de infusão de qualquer erva é uma adaptação ocidental por observação de alguns benefícios trazidos por essa prática.

Esse tipo de bebida que chamamos de chá, na verdade não podem ser intitulados de chá. São chamados de Tisanas.

O chá original e que deve ser chamado de Chá provém das folhas de um único arbusto, o Camellia sinensis, que dá origem a milhares de chás diferentes de acordo com condições de cultivo, coleta, preparo e acondicionamento das folhas. Todos eles podem ser classificados em 5 categorias:

  1. chá branco:

    Folhas jovens que não sofreram efeitos de oxidação (não fermentado, produzido das mais tenras folhas, mais raro e caro).

  2. chá verde: 

    Levemente fermentado, a oxidação é parada pela aplicação de calor, que através de vapor (um método tradicional japonês) ou em bandejas quentes (o método tradicional chinês).

  3. chá oolong:

    Com fermentação mediana, basicamente ficando entre o chá verde e o preto, mas com características gustativas geralmente mais a cerca do chá verde.

  4. chá vermelho:

    As folhas são prensadas e maturadas em barris, o que difere o vermelho do preto é o nível da oxidação.

  5. chá preto:

    Oxidação substancial, é bem fermentado e forte.

Como dito anteriormente, se a infusão não provém da planta Camellia sinensis, não podemos dizer que se trate verdadeiramente de um chá.

Porém, o uso popular em culturas ocidentais não européias, principalmente advindos da cultura indígena de algumas ervas, plantas e raízes medicinais, o ocidente logo aderiu a infusão desses elementos, inicialmente utilizados esporadicamente para fins específicos. Mas com a aparição do chá na cultura europeia e nos países colonizados, uma gama de tisanas tornaram-se parte da cultura em todos os países, incluindo o Brasil.

Tisanas como o “chá” de limão, cidreira, camomila, tília ou menta são muito apreciadas – tão populares como o verdadeiro chá – e são tão ilimitadas quanto a variedade de plantas, frutos e árvores aromáticas que existem ao redor do mundo.

HISTORIA DO CHA NO OCIDENTE

Os primeiros europeus a conhecerem o chá foram os portugueses que chegaram ao Japão em 1543.

Muito em breve, a Europa começou a importar as folhas e tornou-se uma bebida rapidamente popular, principalmente entre as classes mais altas na França e nos Países Baixos.

A responsável por inserir o chá na cultura inglesa foi graças a uma princesa Portuguesa, Catarina de Bragança, casada com Carlos II da Inglaterra, por volta de 1660. Catarina organizava as famosas “tea parties”, onde as mulheres da alta sociedade apreciavam a bebida e posteriormente, passou a cair no gosto masculino.

O chá passou a ser servido em cafeterias e bebido a qualquer hora do dia.

No início do século XIX, a Duquesa de Bedford, em Londres, instituiu a tradição do chá da tarde, conhecida na Inglaterra como “five o’clock tea”.

COMERCIO E CONSUMO DO CHA

Com tantos benefícios já estudados e um mundo apaixonado por eles, não seria diferente: o mercado de chás se especializou e aliou o melhor dos dois mundos: chás e tisanas em suas mais variadas combinações, aliando estudos científicos dos benefícios de cada categoria com cada especiaria, erva, raíz e frutos – trazendo pro mercado produtos de qualidade, diversidade, sabores, atuações distintas.

Chás, tisanas e infusões no Brasil

Algumas marcas já estão consagradas entre os queridinhos no Brasil.

Para os amantes do chá tradicional, existem casas de chá maravilhosas principalmente nas grandes cidades, onde você encontra produtos e acessórios.

Para os amantes das tisanas e infusões bem brasileiras, principalmente aqueles que gostam de ousar nas misturas e conquistar efeitos diversos, a K.Fit oferece uma gama completa pra você se esbaldar todos os dias com um sabor diferente.

QUERO CONHECER OS CHAS DA K.FIT

Dos mais experts aos mais leigos, o mercado de chás ao redor do mundo, atende a todas as expectativas. Seja para fins apreciativos ou seja para fins relacionados a saúde, o chá ou as tisanas são ótimas opções de bebida para qualquer orçamento. Podem ser servidos frio em épocas de calor e quentes em épocas de frio. Sem contra indicação, podem ser consumidos a qualquer hora do dia e em quantidades maiores que o café, por exemplo (exceto o chá preto, que por ter uma oxidação altíssima, possui grande quantidade de cafeína e portanto deve ser consumido com moderação).